Geração Distribuída para constituição de Microrredes

A Copel prorrogou as inscrições para a chamada pública de contratação de energia proveniente de acessantes de geração distribuída. O novo prazo para o recebimento das propostas é 18 de junho de 2021, mas, antes disso, a Companhia promoverá um seminário online para detalhar os tópicos do edital aos interessados. O evento será dia 24 de março, das 14h30 às 16h30, e pode ser assistido gratuitamente pelo link https://youtu.be/4tOFHGllGps

Depois, haverá ainda um período para que os potenciais inscritos tirem dúvidas e, finalmente, inscrevam seus projetos. A data da audiência será marcada em breve e divulgada aqui, assim como o link de participação.

A chamada pública é um projeto piloto, autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), para que a Companhia realize a compra de energia proveniente de geradores conectados ao sistema de distribuição.

A iniciativa é voltada a produtores independentes de energia de pequeno e médio porte, incluindo minigeradores. Para vender energia à distribuidora, será necessário atender ao requisito de constituir uma microrrede: sistemas elétricos independentes que se configuram como uma espécie de “ilha de energia”, na qual a geração, o armazenamento e o consumo podem funcionar conectados à rede de distribuição. seminário

Como funcionam as microrredes

Como funciona 

Os geradores poderão vender a energia gerada para a Copel e, com isso, alimentar um grupo de consumidores próximos. A distribuidora fica responsável pelo controle e segurança da operação.  

Os critérios para autogeradores interessados em participar são: 

  • Constituir uma microrrede
  • Possuir potência instalada de 1 a 30 MW
  • Sem restrição da fonte geradora: podem participar acessantes que produzam energia a partir de biomassa, biogás, eólica, solar ou hidráulica. 
  • Dar garantias de sustento da rede e controle sobre a potência por pelo menos 5 horas ininterruptas 
  • Estar localizado em uma das regiões priorizadas para o projeto, estabelecidas conforme critérios técnicos traçados pela Copel. 

O projeto-piloto durará cinco anos, já que a autorização da Aneel configura-se como um sandbox regulatório – espécie de “caixa de proteção regulatória” na qual algumas regras podem ser flexibilizadas e/ou alteradas, com duração e condições previamente delimitadas para que os agentes do setor possam realizar inovações.  

No entanto, os resultados podem dar embasamento para novos passos rumo a esta modalidade de compra e venda de energia, com possibilidade de ser o pontapé inicial para uma resolução específica sobre o tema.  

Acesse o link:
Chamada Pública COPEL DIS GD 001/2020 – Compra de Energia Elétrica de Geração Distribuída

Aditamento 01 – Chama Pública Copel DIS GD 001/2020

Respostas das solicitações de esclarecimentos recebidas

Evento online – https://youtu.be/4tOFHGllGps