Mercado do gás é apontado como futuro para crescimento sustentável

Publicado em 21 de julho de 2020

A Copel participou na manhã desta terça-feira (21) do evento online LIDE Taks: Mercado de Gás, organizado pelo Grupo de Líderes Empresariais (LIDE) para debater as novas fontes de energia de baixa emissão de gases de efeito estufa. 

Com mediação da líder de pesquisa em energia da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Fernanda Delgado, o encontro mostrou diversos pontos de vista apontando o gás natural e o biogás como fontes importantes para a diversificação da matriz energética do Brasil nos próximos anos. 

O potencial agrícola do Paraná foi destacado como cenário promissor para a implantação de usinas de biogás. De acordo com o presidente da Abiogás, Alessandro Gardemann, resíduos de origem animal e da produção de açúcar ou mandioca, por exemplo, podem ser utilizados para gerar até 12 milhões de metros cúbicos de biogás por dia no Estado – oito vezes a produção atual da Compagás. 

O presidente da Compagás e vice-presidente do Conselho de Administração da Abegás, Rafael Lamastra, comentou projetos de substituição de frotas por veículos movidos a gás e apontou a importância de expandir a infraestrutura de distribuição do insumo. “Eu sou um otimista muito grande com este modal e precisamos cuidar desse momento da transição, reduzindo impactos ambientais”, afirmou Lamastra. 

A Copel apresentou projetos como o P&D de Entre Rios do Oeste, em que 18 produtores de suínos foram interligados por 20 quilômetros de rede coletora e biodigestores, permitindo com que a prefeitura do município se tornasse autossuficiente em geração de energia. 

A flexibilidade e a descentralização do biogás foram destacadas pelo diretor-geral de Desenvolvimento de Negócios da Copel, Cassio Santana da Silva. “Está na missão da Copel prover energia e soluções para o desenvolvimento com sustentabilidade e temos feito isso de maneira muito responsável. Como nossa matriz é focada em hidrelétricas, o gás pode funcionar de forma bastante efetiva nos casos de risco hidrológico”, comentou Silva. 

Um dos maiores desafios do setor apontado pelos participantes é o fomento a projetos estruturados de geração a partir do biogás. A Copel tem duas iniciativas abertas no momento: uma chamada pública para aquisição de projeto estruturado ou empreendimento já implantado e outro edital para formação de parcerias visando o desenvolvimento de projetos em conjunto entre agroindústria, desenvolvedores, projetistas e Copel. 

O evento também teve a participação da presidente do LIDE Paraná, Heloisa Garrett. O LIDE é uma organização de caráter privado que reúne empresários de diversos países e debate o fortalecimento da livre iniciativa do desenvolvimento econômico e social, assim como a defesa dos princípios éticos de governança corporativa no setor público e privado.