Geração

Sobre

A Copel tem hoje um parque gerador composto por 43 usinas próprias (17 hidrelétricas, 1 térmica e 25 eólicas) e 11 participações societárias (6 hidrelétricas, 1 térmica e 4 eólicas), cuja potência instalada totaliza 6.393,74 MW – 93,6% proveniente de fontes renováveis como hídrica e eólica – e que responde pela produção de 3,7% de toda eletricidade gerada no Brasil. Além disso, estão em construção um parque eólico e uma usina hidrelétrica. 

A geração de energia elétrica em nossas usinas é supervisionada e coordenada por nosso Centro de Operação de Geração e Transmissão, em Curitiba.

Além de construir, manter e operar um amplo parque gerador próprio, a Copel presta serviços para empreendimentos de outras concessionárias com a qualidade de quem acumula mais de 60 anos de experiência no setor, incluindo: 

  • Engenharia de Proprietário para implantação de novos projetos de geração de energia elétrica, incluindo aprovação de projetos (básicos, civis, eletromecânicos e elétricos), inspeção de materiais e equipamentos, análise e aprovação de estudos elétricos, fiscalização de obras e comissionamento. 

  • Operação e manutenção de usinas sob concessão de empresas em que a Copel detém participação, contando com corpo técnico altamente capacitado e experiente. 

A Copel Geração e Transmissão S.A. busca a excelência nos serviços especializados de operação e manutenção de usinas geradoras de energia elétrica, com o compromisso de:

  • Prevenir lesões e doenças ocupacionais, sobretudo ocasionadas por trânsito e eletricidade;
  • Adotar uma abordagem sistêmica preventiva a fim de eliminar perigos e reduzir riscos, com objetivo de prevenir acidentes e assegurar condições de trabalho seguras e saudáveis;
  • Promover a consulta e incentivar a participação dos trabalhadores em fóruns e ambientes adequados à informação e discussão dos assuntos de saúde e segurança no trabalho;
  • Proteger o meio ambiente, através da prevenção da poluição, em especial a ocasionada por óleos industriais, da otimização do consumo de materiais, água e energia, e da destinação ambientalmente correta dos resíduos;
  • Racionalizar os custos;
  • Otimizar os índices de disponibilidade e confiabilidade;
  • Atender aos requisitos legais pertinentes e outros requisitos aplicáveis;
  • Implantar melhoria contínua no desempenho da qualidade, segurança e saúde e do meio ambiente, em alinhamento com as políticas e diretrizes corporativas.

Vigente desde: 28.04.2020.

Relatam os fatos de maior destaque ocorridos a cada ano, bem como os principais avanços e conquistas obtidas  pela Copel Geração e Transmissão (GeT) nas áreas da governança corporativa, ética, transparência e responsabilidade social em cada período.

Confira os relatórios

Estatuto aprovado e consolidado pela 109ª Assembleia Geral
Extraordinária de Acionistas, de 30.04.2020.

Dúvidas e pedidos de informação relacionados às usinas da Copel, envie e-mail para: comunicacao.get@copel.com 

Usinas

 
INFORMAMOS QUE DEVIDO À PANDEMIA DE COVID-19 AS VISITAS ÀS INSTALAÇÕES DA COPEL ESTÃO TEMPORARIAMENTE SUSPENSAS.

 

 
UHE Gov. Bento Munhoz da Rocha Netto (Foz do Areia):

As visitas são permitidas somente em dias úteis e devem ser previamente agendadas através dos telefones: (42) 3309-2200 ou pelo e-mail: visitas.gbm@copel.com.

 

Vila de Faxinal do Céu:

Você pode passear e hospedar-se na Vila de Faxinal do Céu, um lugar de beleza ímpar. A antiga Vila dos trabalhadores da Usina de Foz do Areia, é mantida como Centro de Eventos com capacidade para 500 pessoas. Contatos: (42) 3309-2332 ou pelos e-mails: hospedaria.gbm@copel.com / hospedaria.gbm@gmail.com.

 

Jardim Botânico:

O Complexo de Faxinal do Céu conta com um Jardim Botânico que abriga uma coleção de milhares de espécies nativas e exóticas, em uma paisagem que impressiona todos os visitantes. Visitas guiadas podem ser agendada por telefone: (42) 3309-2250 / (42) 3309-3639 / (42) 3309-3807. Para visitação sem guia, o Jardim Botânico fica aberto de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h às 18h.

 

UHE Gov. Ney Aminthas de Barros Braga (Segredo):

As visitas são permitidas somente em dias úteis e deverão ser previamente agendadas pelo telefone (42) 3309-2500 ou pelo e-mail: simone.cuffa@copel.com.

 

Museu Regional do Iguaçu:

Localizado às margens do maior rio do Paraná, na região centro-sul do Estado, o Museu Regional do Iguaçu realiza um cuidadoso trabalho de guarda e conservação de elementos que ajudam a contar a história da região. Mantido pela Copel, o Museu está localizado junto à Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga. Para agendar uma visita, entre em contato pelos telefones: (42) 3309-2701 / (42) 3309-2702 ou através do e-mail: museu.iguaçu@copel.com. Os agendamentos serão realizados de terça a sexta-feira. Não fazemos agendamento para os domingos, quando há a possibilidade de visitas livres no período da tarde, das 13h às 17h.

 

UHE Gov. José Richa (Salto Caxias):

As visitas são permitidas somente às quartas-feiras e deverão ser previamente agendadas preferencialmente pelo e-mail: visitas.gjr@copel.com ou pelo telefone (45) 3327-7710.

 

UHE Jayme Canet Júnior (Mauá):

As visitas são permitidas somente em dias úteis e deverão ser previamente agendadas pelo e-mail: asantosm@copel.com.

 

Usina Eólica de Palmas:

As visitas são permitidas somente em dias úteis e devem ser previamente agendadas pelo email: simone.cuffa@copel.com.

 

OBSERVAÇÃO: No caso de excursões escolares, deve ser previsto um professor para cada dez alunos.

A Copel preza pela segurança das estruturas de seu parque gerador e das comunidades que vivem no entorno das usinas e, em cumprimento à Lei nº 12.334/2010 (Política Nacional de Segurança de Barragens) e à Resolução Normativa Aneel nº 6969/2015, conta com Planos de Ação de Emergência – PAEs para as barragens sob sua responsabilidade. O PAE é um documento formal periodicamente testado internamente e revisado, que estabelece as ações a serem executadas na hipótese do nível de segurança da barragem enquadrar-se na situação de emergência e identifica os agentes a serem notificados dessa ocorrência.

Em 2018 e 2019, a Copel Geração e Transmissão realizou reuniões com representantes das prefeituras e coordenadorias de defesa civil municipais para apresentação e entrega dos PAEs.

Em complemento ao PAE, a companhia possui Planos de Ações Emergenciais Operacionais, para contingências que afetam a rotina operacional nas usinas, e um plano específico para atendimento às ocorrências socioambientais, o Plano de Ações para Emergências Socioambientais – PAMA.

Em caso de emergência nas usinas, a Copel emitirá alerta às autoridades competentes.

Copel também elaborou juntamente com a Defesa Civil um guia com informações importantes para que sua família possa se proteger com rapidez e segurança em caso de enchentes e desastres naturais.

Quer entender como funciona uma usina hidrelétrica? Clique aqui e assista ou clique aqui e leia.

Mais informações: comunicacao.get@copel.com

Bordas de reservatórios

Confira os procedimentos necessários para a regularização e autorização de benfeitorias permissíveis dentro da legislação vigente em bordas de reservatório.

Se você quer desenvolver atividades nos reservatórios e áreas marginais sob concessão da Copel, conheça os usos permissíveis e procedimentos necessários para a obtenção da cessão de uso.

Obs: Para atendimento às normas internas e legislação pertinente. A Copel GeT reserva-se o direito de realizar alterações nos procedimentos ora publicados, com o objetivo de adequar-se as normas institucionais e legislações ambientais e regulatórias sem aviso prévio.

Caso ainda tenha dúvidas sobre esse assunto, envie um e-mail para: anuencias.imobiliaria@copel.com

A Copel Geração e Transmissão é responsável pela operação de diversos reservatórios, contemplando mais de 2000km de perímetro de borda.

O objetivo principal dos reservatórios das usinas hidrelétricas é armazenar água para fins de geração de energia. As áreas da concessão desapropriadas para a constituição dos mesmos e as Áreas de Preservação Permanentes – APPs, têm seus usos disciplinados em função da finalidade para a qual foram constituídas.

Considerando o uso múltiplo das águas, as definições de usos permissíveis constantes nos Planos Ambientais de Conservação e Uso do Entorno de Reservatórios Artificiais – PACUERAS, e em consonância com o Código Florestal Brasileiro, Lei nº 12651/2012, e legislações estaduais pertinentes, a Copel passa a disponibilizar, a partir de agosto de 2016, este procedimento para a Cessão de Uso em Bordas de Reservatórios.

Este procedimento estabelece as normativas para o tratamento de ocupações e usos permissíveis de acordo com a legislação ambiental vigente, em áreas adquiridas para composição dos reservatórios artificiais com finalidade de geração de energia hidrelétrica e sob a concessão da Copel GeT.

As benfeitorias possíveis para a regularização e autorização mediante contrato de cessão de uso, são aquelas que se enquadrem como utilidade pública, de interesse social ou de baixo impacto ambiental (art 3º da Lei 12651/2012), pois as áreas marginais de que tratam este procedimento são as destinadas a conservação do entorno do reservatório na forma de APPs (art. 5º e art. 62 da Lei 12651/2012).

Resolução CONAMA 369/2006no artigo 11, parágrafo 2º informa: “A intervenção ou supressão, eventual e de baixo impacto ambiental, da vegetação em APP não pode, em qualquer caso, exceder ao percentual de 10% (dez por cento) da APP impactada localizada na posse ou propriedade a critério do órgão ambiental”.

No Estado do Paraná, além do Código Florestal, deve ser observado o contido na Resolução Conjunta SEDEST/IAP 023/2019 que, no artigo 8º descreve quais são as intervenções permitidas nas APPs.

Portaria MME nº 170, de 4 de fevereiro de 1987, disciplina o uso das áreas marginais aos reservatórios de acumulação de água para geração de energia elétrica e permite que os concessionários celebrem, com terceiros, contratos de concessão de direito de uso das áreas marginais mediante a observação de seus artigos.

Se você quer desenvolver atividades nos reservatórios e áreas marginais sob concessão da Copel, conheça as interferências permissíveis para a Cessão de Uso em Bordas de Reservatórios.

No caso da ocupação se enquadrar como utilidade pública, de interesse social ou de baixo impacto ambiental, os procedimentos abaixo devem ser seguidos para a obtenção de anuência prévia e cessão de uso:

Passo 1) Envio à Copel GeT dos documentos constantes da relação “Anuência Prévia”, definidos em cada tipo de interferência;

Passo 2) Recebimento pela Copel GeT da documentação e levantamento topográfico para verificação da regularidade do interessado e do empreendimento;

Passo 3) Pagamento de Taxa de Cessão de Uso, destinada ao reembolso de custos e despesas próprias, para que a Copel analise a documentação e levantamento topográfico enviado pelo interessado. A Taxa tem o valor de R$ 600,00 (seiscentos reais). O pagamento desta Taxa não garante a emissão de “Anuência Prévia”.

Passo 4) Avaliação da documentação topográfica apresentada pelo interessado e, quando necessário, realização de inspeção no local;

Passo 5) Definição do valor de mercado da área a ser cedida, para a composição do valor anual pela cessão de uso, incluindo os custos de administração;

Passo 6) Emissão da “Anuência Prévia” e envio ao interessado de uma nova relação de documentos para “Formalização do Contrato”;

Passo 7) Apresentação, por parte do interessado, da “Anuência Prévia” aos órgãos competentes para a obtenção de autorizações/licença ambiental:

– IBAMA (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis)

– DNPM (Departamento Nacional de Produção Mineral)

– ANA (Agência Nacional das Águas)

– MPA (Ministério da Pesca e Aquicultura)

– Marinha do Brasil

– IAP (Instituto Ambiental do Paraná)

– Instituto das Águas do Paraná;

Passo 8) Envio à Copel GeT dos documentos constantes da relação para “Formalização de Contrato”;

Passo 9) Avaliação final da documentação e formalização de contrato de Cessão de Uso (permissão de uso).

Obs.: O não atendimento a qualquer um dos requisitos do processo impedirá a sua sequência.

Construção executada na área da Copel GeT pelo proprietário confrontante1, sem fins lucrativos, passíveis de regularização.

Condição básica para requerer a cessão de uso

Ser proprietário confrontante com a área pretendida, ou ter anuência deste.

Documentação exigida pela Copel GeT

Para obtenção da anuência prévia

Passo 1) Preencher Requerimento formal do interessado, indicando extensão superficial da área objetivada, em m², o Município e o Estado em que se situa.

Passo 2) Encaminhar o Requerimento preenchido juntamente com o documento comprobatório de propriedade do imóvel confrontante, matrícula ou transcrição, atualizadas com no máximo 30 dias.

Obs: No caso de apresentação de escritura de compra e venda, o futuro contrato de cessão de uso deverá ser assinado pelo proprietário da matrícula do imóvel como anuente.

Após o preenchimento do Requerimento, o interessado terá 90 dias para cumprir os Passos 3, 4 e 5 submeter à Copel.

Passo 3) Efetuar Levantamentos Topográficos e apresentar:

3.1) Memorial descritivo da área pretendida em toda a sua extensão até os limites da propriedade, indicando o reservatório e contemplando suas respectivas cotas (máxima normal de operação, máxima maximorum e desapropriação2);

3.2) Planta planialtimétrica com coordenadas (UTM) em SAD 69 – 96, contemplando as benfeitorias existentes, futuras e cotas (indicar cota máxima normal de operação, máxima maximorum e desapropriação), Área de Preservação Permanente – APP, levantamento da divisa da propriedade para determinar a extensão total que confronta com a área da Concessão, polígono da área total a ser utilizada e área nominal em m²;

3.3) ART do responsável técnico pela elaboração da planta planialtimétrica e memorial descritivo;

Passo 4) Apresentar documentos do requerente:

4.1) Caso o requerente seja o proprietário: qualificação (RG, CPF e comprovante de residência);

4.2) Caso o requerente não seja o proprietário: qualificação (RG, CPF, comprovante de residência) do requente e do proprietário, carta de anuência do proprietário e procuração com firma reconhecida, se aplicável;

4.3) Se pessoa jurídica: contrato social consolidado, ata e estatuto, documento da instituição da empresa ou associação, cartão do CNPJ, cartão de inscrição estadual (cópia autenticada) e procuração com firma reconhecida, se aplicável.

Passo 5) Pagar a Taxa de Cessão de Uso. A taxa destina-se ao Reembolso de Custos e Despesas Próprias para que a Copel analise a documentação e levantamento topográfico enviado pelo interessado. A Taxa tem o valor de R$ 600,00 (seiscentos reais). O pagamento desta Taxa não garante a emissão de “Anuência Prévia”.

Passo 6) Após analisados e aprovadas as peças técnicas referentes aos levantamentos topográficos exigidos nos Passos 3, 4 e 5, a Copel fornecerá Anuência Prévia ao requerente.

Para elaboração do contrato

a) Qualificação do solicitante:

a.1) Se pessoa jurídica: contrato social consolidado, ata e estatuto, documento da instituição da empresa ou associação, cartão do CNPJ e cartão de inscrição estadual (cópia autenticada);

a.2) Se pessoa física: qualificação do requerente (cópia simples do CPF, RG e comprovante de residência);

a.3) Caso o requerente não seja o proprietário: qualificação (RG, CPF, comprovante de residência) do requente e do proprietário;

a.4) Procuração com firma reconhecida, se aplicável;

a.5) Qualificação do procurador, se aplicável (cópia simples do CPF, RG e comprovante de residência);

b) Autorização da Marinha nos casos em que sua atividade/intervenção adentrar a lâmina d’água;

c) Licenciamento ambiental vigente / Licença válida (Licença Prévia – LP, Licença de Instalação – LI ou Licença de Operação – LO ou Autorização Ambiental). O contrato permitirá a instalação do empreendimento, mas o interessado só poderá operar com a devida Licença de Operação/Autorização Ambiental do órgão competente ou o certificado de Dispensa de Licença a ser emitido pelo órgão ambiental competente;

d) Autorização Florestal para supressão da vegetação, quando cabível, acompanhada do termo de compromisso de compensação/recuperação ambiental;

e) Licença Municipal: caso o interessado entenda não ser aplicável este requisito à sua atividade/intervenção, apresentar o devido Certificado de Dispensa de Licença a ser emitido pela Prefeitura Municipal;

f) Projeto executivo elaborado por profissional habilitado, devidamente aprovado pelo órgão ambiental e aceito pela Copel GeT;

g) Se a APP estiver dentro de uma Unidade de Conservação ou no entorno de uma Unidade de Conservação Integral, deverá apresentar uma anuência do órgão gestor da unidade, por exemplo, no caso de Parques Federais, apresentar uma autorização do ICMBio;

h) Prova de regularidade para com as fazendas Federal, Estadual e Municipal do domicílio, bem como regularidade com a Fazenda do Estado do Paraná;

i) Certidão Negativa de Débitos/CND – INSS;

j) Certificado de Regularidade de Situação/CRS – FGTS.

1. Proprietário Confrontante é aquele que, por manter divisa com a propriedade da Concessão, poderá vir a solicitar a cessão de uso da área.

2. A Copel GeT fornecerá as cotas operacional normal e máxima maximorum, para a elaboração da planta.

Área utilizada para acesso à captação de água nos reservatórios, através de conjuntos de bombas, utilizados para abastecimento de residências, aglomerados urbanos, atividades industriais, agropecuárias e outras.

Condição básica para requerer a cessão de captação de água

a) Ser proprietário confrontante1 com a área pretendida, ou ter anuência deste;

b) Possuir documento autorizando o uso (outorga de direito de uso de recursos hídricos ou documento de dispensa por tratar-se de uso insignificante).

Documentação exigida pela Copel GeT

Para a obtenção da anuência prévia

Passo 1) Preencher Requerimento formal do interessado, informando o volume de água a ser captado e indicando extensão superficial da área objetivada, em m², o Município e o Estado em que se situa;

Passo 2) Encaminhar o Requerimento preenchido juntamente com o documento comprobatório de propriedade do imóvel confrontante, matrícula ou transcrição, atualizadas com no máximo 30 dias.

Obs: No caso de apresentação de escritura de compra e venda, o futuro contrato de cessão de uso deverá ser assinado pelo proprietário da matrícula do imóvel como anuente.

Após o preenchimento do Requerimento, o interessado terá 90 dias para cumprir os Passos 3, 4 e 5 submeter à Copel.

Passo 3) Efetuar Levantamentos Topográficos e apresentar:

3.1) Memorial descritivo da área pretendida em toda a sua extensão até os limites da propriedade, indicando o reservatório e contemplando suas respectivas cotas (máxima normal de operação, máxima maximorum e desapropriação2);

3.2) Planta planialtimétrica com coordenadas (UTM) em SAD 69 – 96, contemplando as benfeitorias existentes, futuras e cotas (indicar cota máxima normal de operação, máxima maximorum e desapropriação), Área de Preservação Permanente – APP, levantamento da divisa da propriedade para determinar a extensão total que confronta com a área da Concessão, polígono da área total a ser utilizada e área nominal em m²;

3.3) ART do responsável técnico pela elaboração da planta planialtimétrica e memorial descritivo;

Passo 4) Apresentar documentos do requerente:

4.1) Caso o requerente seja o proprietário: qualificação (RG, CPF e comprovante de residência);

4.2) Caso o requerente não seja o proprietário: qualificação (RG, CPF, comprovante de residência) do requente e do proprietário, carta de anuência do proprietário e procuração com firma reconhecida, se aplicável;

4.3) Se pessoa jurídica: contrato social consolidado, ata e estatuto, documento da instituição da empresa ou associação, cartão do CNPJ, cartão de inscrição estadual (cópia autenticada) e procuração com firma reconhecida, se aplicável.

Passo 5) Pagar a Taxa de Cessão de Uso. A taxa destina-se ao Reembolso de Custos e Despesas Próprias para que a Copel analise a documentação e levantamento topográfico enviado pelo interessado. A Taxa tem o valor de R$ 600,00 (seiscentos reais). O pagamento desta Taxa não garante a emissão de “Anuência Prévia”.

Passo 6) Após analisados e aprovadas as peças técnicas referentes aos levantamentos topográficos exigidos nos Passos 3, 4 e 5, a Copel fornecerá Anuência Prévia ao requerente.evantamentos topográficos:

Para elaboração do contrato

a) Qualificação do solicitante:

a.1) Se pessoa jurídica: contrato social consolidado, ata e estatuto, documento da instituição da empresa ou associação, cartão do CNPJ e cartão de inscrição estadual (cópia autenticada);

a.2) Se pessoa física: qualificação do requerente (cópia simples do CPF, RG e comprovante de residência);

a.3) Caso o requerente não seja o proprietário: qualificação (RG, CPF, comprovante de residência) do requente e do proprietário;

a.4) Procuração com firma reconhecida, se aplicável;

a.5) Qualificação do procurador, se aplicável (cópia simples do CPF, RG e comprovante de residência);

b) Autorização da Marinha nos casos em que sua atividade/intervenção adentrar a lâmina d’água;

c) Licenciamento ambiental vigente / Licença válida (Licença Prévia – LP, Licença de Instalação – LI ou Licença de Operação – LO ou Autorização Ambiental). O contrato permitirá a instalação do empreendimento, mas o interessado só poderá operar com a devida Licença de Operação/Autorização Ambiental do órgão competente ou o certificado de Dispensa de Licença a ser emitido pelo órgão ambiental competente;

d) Autorização Florestal para supressão da vegetação, quando cabível, acompanhada do termo de compromisso de compensação/recuperação ambiental;

e) Outorga emitida pela ANA ou pelo Instituto das Águas do Paraná, para intervenções em cursos d’água de domínio da União e do Estado do Paraná, respectivamente;

f) Projeto executivo elaborado por profissional habilitado, devidamente aprovado pelo órgão ambiental e aceito pela Copel GeT;

g) Prova de regularidade para com as fazendas Federal, Estadual e Municipal do domicílio, bem como regularidade com a Fazenda do Estado do Paraná;

h) Certidão Negativa de Débitos/CND – INSS;

i) Certificado de Regularidade de Situação/CRS – FGTS.

1. Proprietário Confrontante é aquele que, por manter divisa com a propriedade da Concessão, poderá vir a solicitar a cessão de uso da área.

2. A Copel GeT fornecerá as cotas operacional normal e máxima maximorum, para a elaboração da planta.

Áreas utilizadas para acesso e apoio à atividade de criação de animais aquáticos em tanques-rede.

Condição básica para requerer a cessão de uso

a) Ser proprietário confrontante1 com a área pretendida, ou ter anuência deste;

b) Estar devidamente cadastrado no Ministério da Pesca, em consonância com a legislação vigente.

Documentação exigida pela Copel GeT

Para obtenção da anuência prévia

Passo 1) Preencher Requerimento formal do interessado, indicando extensão superficial da área objetivada, em m², o Município e o Estado em que se situa.

Passo 2) Encaminhar o Requerimento preenchido juntamente com o documento comprobatório de propriedade do imóvel confrontante, matrícula ou transcrição, atualizadas com no máximo 30 dias.

Obs: No caso de apresentação de escritura de compra e venda, o futuro contrato de cessão de uso deverá ser assinado pelo proprietário da matrícula do imóvel como anuente.

Após o preenchimento do Requerimento, o interessado terá 90 dias para cumprir os Passos 3, 4 e 5 submeter à Copel.

Passo 3) Efetuar Levantamentos Topográficos e apresentar:

3.1) Memorial descritivo da área pretendida em toda a sua extensão até os limites da propriedade, indicando o reservatório e contemplando suas respectivas cotas (máxima normal de operação, máxima maximorum e desapropriação2);

3.2) Planta planialtimétrica com coordenadas (UTM) em SAD 69 – 96, contemplando as benfeitorias existentes, futuras e cotas (indicar cota máxima normal de operação, máxima maximorum e desapropriação), Área de Preservação Permanente – APP, levantamento da divisa da propriedade para determinar a extensão total que confronta com a área da Concessão, polígono da área total a ser utilizada e área nominal em m²;

3.3) ART do responsável técnico pela elaboração da planta planialtimétrica e memorial descritivo.

Passo 4) Apresentar documentos do requerente:

4.1) Caso o requerente seja o proprietário: qualificação (RG, CPF e comprovante de residência);

4.2) Caso o requerente não seja o proprietário: qualificação (RG, CPF, comprovante de residência) do requente e do proprietário, carta de anuência do proprietário e procuração com firma reconhecida, se aplicável;

4.3) Se pessoa jurídica: contrato social consolidado, ata e estatuto, documento da instituição da empresa ou associação, cartão do CNPJ, cartão de inscrição estadual (cópia autenticada) e procuração com firma reconhecida, se aplicável.

Passo 5) Pagar a Taxa de Cessão de Uso. A taxa destina-se ao Reembolso de Custos e Despesas Próprias para que a Copel analise a documentação e levantamento topográfico enviado pelo interessado. A Taxa tem o valor de R$ 600,00 (seiscentos reais). O pagamento desta Taxa não garante a emissão de “Anuência Prévia”.

Passo 6) Após analisados e aprovadas as peças técnicas referentes aos levantamentos topográficos exigidos nos Passos 3, 4 e 5, a Copel fornecerá Anuência Prévia ao requerente.

Para elaboração do contrato

a) Qualificação do solicitante:

a.1) Se pessoa jurídica: contrato social consolidado, ata e estatuto, documento da instituição da empresa ou associação, cartão do CNPJ e cartão de inscrição estadual (cópia autenticada);

a.2) Se pessoa física: qualificação do requerente (cópia simples do CPF, RG e comprovante de residência);

a.3) Caso o requerente não seja o proprietário: qualificação (RG, CPF, comprovante de residência) do requente e do proprietário;

a.4) Procuração com firma reconhecida, se aplicável;

a.5) Qualificação do procurador, se aplicável (cópia simples do CPF, RG e comprovante de residência);

b) Autorização da Marinha nos casos em que sua atividade/intervenção adentrar a lâmina d’água;

c) Licenciamento ambiental vigente / Licença válida (Licença Prévia – LP, Licença de Instalação – LI ou Licença de Operação – LO ou Autorização Ambiental). O contrato permitirá a instalação do empreendimento, mas o interessado só poderá operar com a devida Licença de Operação/Autorização Ambiental do órgão competente ou o certificado de Dispensa de Licença a ser emitido pelo órgão ambiental competente;

d) Autorização Florestal para supressão da vegetação, quando cabível, acompanhada do termo de compromisso de compensação/recuperação ambiental;

e) Documento imobiliário comprobatório de propriedade ou arrendamento do imóvel confrontante (matrícula, transcrição, escritura pública, contrato de arrendamento);

f) Projeto aprovado pelo órgão competente, com a respectiva Licença ou Autorização Ambiental do órgão competente, obtida segundo a Portaria IAP 112/2005 (para empreendimentos aquicolas, é solicitada uma autorização de acesso ao lago para obtenção de LI);

g) Licença de Aquicultor no Registro Geral da Atividade Pesqueira – RGP, do Ministério da Pesca e Aquicultura (exceto nos casos em que o Licenciamento Ambiental for dispensado pelo órgão ambiental competente);

h) Prova de regularidade para com as fazendas Federal, Estadual e Municipal do domicílio, bem como regularidade com a Fazenda do Estado do Paraná;

i) Certidão Negativa de Débitos/CND – INSS;

j) Certificado de Regularidade de Situação/CRS – FGTS.

1. Proprietário Confrontante é aquele que, por manter divisa com a propriedade da Concessão, poderá vir a solicitar a cessão de uso da área.

2. A Copel GeT fornecerá as cotas operacional normal e máxima maximorum, para a elaboração da planta.

Área utilizada para interligar a propriedade confrontante1 à área da Copel GeT ao reservatório, com a finalidade de propiciar a dessedentação de animais.

Condição básica para requerer a cessão de uso

Ser proprietário confrontante com a área pretendida, ou ter anuência deste.

Documentação exigida pela Copel GeT

Passo 1) Preencher Requerimento formal do interessado, indicando extensão superficial da área objetivada, em m², o Município e o Estado em que se situa.

Passo 2) Encaminhar o Requerimento preenchido juntamente com o documento comprobatório de propriedade do imóvel confrontante, matrícula ou transcrição, atualizadas com no máximo 30 dias.

Obs: No caso de apresentação de escritura de compra e venda, o futuro contrato de cessão de uso deverá ser assinado pelo proprietário da matrícula do imóvel como anuente.

Após o preenchimento do Requerimento, o interessado terá 90 dias para cumprir os Passos 3, 4 e 5 submeter à Copel.

Passo 3) Efetuar Levantamentos Topográficos e apresentar:

3.1) Memorial descritivo da área pretendida em toda a sua extensão até os limites da propriedade, indicando o reservatório e contemplando suas respectivas cotas (máxima normal de operação, máxima maximorum e desapropriação2);

3.2) Planta planialtimétrica com coordenadas (UTM) em SAD 69 – 96, contemplando as benfeitorias existentes, futuras e cotas (indicar cota máxima normal de operação, máxima maximorum e desapropriação), Área de Preservação Permanente – APP, levantamento da divisa da propriedade para determinar a extensão total que confronta com a área da Concessão, polígono da área total a ser utilizada e área nominal em m²;

3.3) ART do responsável técnico pela elaboração da planta planialtimétrica e memorial descritivo;

Passo 4) Apresentar documentos do requerente:

4.1) Caso o requerente seja o proprietário: qualificação (RG, CPF e comprovante de residência);

4.2) Caso o requerente não seja o proprietário: qualificação (RG, CPF, comprovante de residência) do requente e do proprietário, carta de anuência do proprietário e procuração com firma reconhecida, se aplicável;

4.3) Se pessoa jurídica: contrato social consolidado, ata e estatuto, documento da instituição da empresa ou associação, cartão do CNPJ, cartão de inscrição estadual (cópia autenticada) e procuração com firma reconhecida, se aplicável.

Passo 5) Pagar a Taxa de Cessão de Uso. A taxa destina-se ao Reembolso de Custos e Despesas Próprias para que a Copel analise a documentação e levantamento topográfico enviado pelo interessado. A Taxa tem o valor de R$ 600,00 (seiscentos reais). O pagamento desta Taxa não garante a emissão de “Anuência Prévia”.

Passo 6) Após analisados e aprovadas as peças técnicas referentes aos levantamentos topográficos exigidos nos Passos 3, 4 e 5, a Copel fornecerá Anuência Prévia ao requerente.

Para elaboração do contrato

a) Qualificação do solicitante:

a.1) Se pessoa jurídica: contrato social consolidado, ata e estatuto, documento da instituição da empresa ou associação, cartão do CNPJ e cartão de inscrição estadual (cópia autenticada);

a.2) Se pessoa física: qualificação do requerente (cópia simples do CPF, RG e comprovante de residência);

a.3) Caso o requerente não seja o proprietário: qualificação (RG, CPF, comprovante de residência) do requente e do proprietário;

a.4) Procuração com firma reconhecida, se aplicável;

a.5) Qualificação do procurador, se aplicável (cópia simples do CPF, RG e comprovante de residência);

b) Licenciamento ambiental vigente / Licença válida (Licença Prévia – LP, Licença de Instalação – LI ou Licença de Operação – LO ou Autorização Ambiental). O contrato permitirá a instalação do empreendimento, mas o interessado só poderá operar com a devida Licença de Operação/Autorização Ambiental do órgão competente ou o certificado de Dispensa de Licença a ser emitido pelo órgão ambiental competente;

c) Autorização Florestal para supressão da vegetação, quando cabível, acompanhada do termo de compromisso de compensação/recuperação ambiental;

d) Prova de regularidade para com as fazendas Federal, Estadual e Municipal do domicílio, bem como regularidade com a Fazenda do Estado do Paraná;

e) Certidão Negativa de Débitos/CND – INSS;

f) Certificado de Regularidade de Situação/CRS – FGTS.

1. Proprietário Confrontante é aquele que, por manter divisa com a propriedade da Concessão, poderá vir a solicitar a cessão de uso da área.

2. A Copel GeT fornecerá as cotas operacional normal e máxima maximorum, para a elaboração da planta.

Área utilizada para estudos e pesquisas arqueológicas.

Condição básica para requerer a cessão de uso

Possuir permissão do IPHAN para pesquisa arqueológica na área de interesse.

Documentação exigida pela Copel GeT

Para obtenção da anuência prévia

Passo 1) Preencher Requerimento formal do interessado, indicando extensão superficial da área objetivada, em m², o Município e o Estado em que se situa;

Passo 2) Encaminhar o Requerimento preenchido juntamente com o documento comprobatório de propriedade do imóvel confrontante, matrícula ou transcrição, atualizadas com no máximo 30 dias.

Obs: No caso de apresentação de escritura de compra e venda, o futuro contrato de cessão de uso deverá ser assinado pelo proprietário da matrícula do imóvel como anuente.

Após o preenchimento do Requerimento, o interessado terá 90 dias para cumprir os Passos 3, 4 e 5 submeter à Copel.

Passo 3) Efetuar Levantamentos Topográficos e apresentar:

3.1) Memorial descritivo da área pretendida em toda a sua extensão até os limites da propriedade, indicando o reservatório e contemplando suas respectivas cotas (máxima normal de operação, máxima maximorum e desapropriação1);

3.2) Planta planialtimétrica com coordenadas (UTM) em SAD 69 – 96, contemplando as benfeitorias existentes, futuras e cotas (indicar cota máxima normal de operação, máxima maximorum e desapropriação), Área de Preservação Permanente – APP, levantamento da divisa da propriedade para determinar a extensão total que confronta com a área da Concessão, polígono da área total a ser utilizada e área nominal em m²;

3.3) ART do responsável técnico pela elaboração da planta planialtimétrica e memorial descritivo;

Passo 4) Apresentar documentos do requerente:

4.1) Caso o requerente seja o proprietário: qualificação (RG, CPF e comprovante de residência);

4.2) Caso o requerente não seja o proprietário: qualificação (RG, CPF, comprovante de residência) do requente e do proprietário, carta de anuência do proprietário e procuração com firma reconhecida, se aplicável;

4.3) Se pessoa jurídica: contrato social consolidado, ata e estatuto, documento da instituição da empresa ou associação, cartão do CNPJ, cartão de inscrição estadual (cópia autenticada) e procuração com firma reconhecida, se aplicável.

Passo 5) Pagar a Taxa de Cessão de Uso. A taxa destina-se ao Reembolso de Custos e Despesas Próprias para que a Copel analise a documentação e levantamento topográfico enviado pelo interessado. A Taxa tem o valor de R$ 600,00 (seiscentos reais). O pagamento desta Taxa não garante a emissão de “Anuência Prévia”.

Passo 6) Após analisados e aprovadas as peças técnicas referentes aos levantamentos topográficos exigidos nos Passos 3, 4 e 5, a Copel fornecerá Anuência Prévia ao requerente.

Para elaboração do contrato

a) Qualificação do solicitante:

a.1) Se pessoa jurídica: Contrato Social Consolidado, Ata e Estatuto, documento da Instituição da empresa ou associação, Cartão do CNPJ e Cartão de Inscrição Estadual (cópia autenticada);

a.2) Se pessoa física: Qualificação do requerente (cópia simples do CPF e RG);

a.3) Comprovante de residência do requerente ou representante legal;

a.4) Procuração com firma reconhecida, se aplicável;

a.5) Qualificação do procurador, se aplicável (cópia simples do CPF e RG);

a.6) Comprovante de residência do procurador, se aplicável;

b) Permissão para a realização da atividade de escavação para fins arqueológicos a ser emitida pelo IPHAN.

1. A Copel GeT fornecerá as cotas operacional normal e máxima maximorum, para a elaboração da planta.

Área destinada para atividades relativas exploração agroflorestal e manejo florestal.

Condição Básica para requerer a cessão de uso

Ser proprietário confrontante1 com a área pretendida, ou ter anuência deste.

Documentação exigida pela Copel GeT

Para obtenção da anuência prévia

Passo 1) Preencher Requerimento formal do interessado, indicando extensão superficial da área objetivada, em m², o Município e o Estado em que se situa.

Passo 2) Encaminhar o Requerimento preenchido juntamente com o documento comprobatório de propriedade do imóvel confrontante, matrícula ou transcrição, atualizadas com no máximo 30 dias.

Obs: No caso de apresentação de escritura de compra e venda, o futuro contrato de cessão de uso deverá ser assinado pelo proprietário da matrícula do imóvel como anuente.

Após o preenchimento do Requerimento, o interessado terá 90 dias para cumprir os Passos 3, 4 e 5 submeter à Copel.

Passo 3) Efetuar Levantamentos Topográficos e apresentar:

3.1) Memorial descritivo da área pretendida em toda a sua extensão até os limites da propriedade, indicando o reservatório e contemplando suas respectivas cotas (máxima normal de operação, máxima maximorum e confrontante2 );

3.2) Planta planialtimétrica com coordenadas (UTM) em SAD 69 – 96, contemplando as benfeitorias existentes, futuras e cotas (indicar cota máxima normal de operação, máxima maximorum e desapropriação), Área de Preservação Permanente – APP, levantamento da divisa da propriedade para determinar a extensão total que confronta com a área da Concessão, polígono da área total a ser utilizada e área nominal em m²;

3.3) ART do responsável técnico pela elaboração da planta planialtimétrica e memorial descritivo;

Passo 4) Apresentar documentos do requerente:

4.1) Caso o requerente seja o proprietário: qualificação (RG, CPF e comprovante de residência);

4.2) Caso o requerente não seja o proprietário: qualificação (RG, CPF, comprovante de residência) do requente e do proprietário, carta de anuência do proprietário e procuração com firma reconhecida, se aplicável;

4.3) Se pessoa jurídica: contrato social consolidado, ata e estatuto, documento da instituição da empresa ou associação, cartão do CNPJ, cartão de inscrição estadual (cópia autenticada) e procuração com firma reconhecida, se aplicável.

Passo 5) Pagar a Taxa de Cessão de Uso. A taxa destina-se ao Reembolso de Custos e Despesas Próprias para que a Copel analise a documentação e levantamento topográfico enviado pelo interessado. A Taxa tem o valor de R$ 600,00 (seiscentos reais). O pagamento desta Taxa não garante a emissão de “Anuência Prévia”.

Passo 6) Após analisados e aprovadas as peças técnicas referentes aos levantamentos topográficos exigidos nos Passos 3, 4 e 5, a Copel fornecerá Anuência Prévia ao requerente.

Para elaboração do contrato

a) Qualificação do solicitante:

a.1) Se pessoa jurídica: contrato social consolidado, ata e estatuto, documento da instituição da empresa ou associação, cartão do CNPJ e cartão de inscrição estadual (cópia autenticada);

a.2) Se pessoa física: qualificação do requerente (cópia simples do CPF, RG e comprovante de residência);

a.3) Caso o requerente não seja o proprietário: qualificação (RG, CPF, comprovante de residência) do requente e do proprietário;

a.4) Procuração com firma reconhecida, se aplicável;

a.5) Qualificação do procurador, se aplicável (cópia simples do CPF, RG e comprovante de residência);

b) Autorização da Marinha nos casos em que sua atividade/intervenção adentrar a lâmina d’água;

c) Plano de Manejo Florestal Sustentável (PMFS) aprovado junto ao órgão ambiental competente;

d) Autorização Florestal para supressão da vegetação, quando cabível, acompanhada do termo de compromisso de compensação/recuperação ambiental.

1. Proprietário Confrontante é aquele que, por manter divisa com a propriedade da Concessão, poderá vir a solicitar a cessão de uso da área.

2. A Copel GeT fornecerá as cotas operacional normal e máxima maximorum, para a elaboração da planta.

Área destinada para atividades relativas à pesquisas científicas e coleta de produtos, com acesso aos recursos genéticos.

Documentação exigida pela Copel GeT

Para obtenção da anuência prévia

Passo 1) Preencher Requerimento formal do interessado, indicando extensão superficial da área objetivada, em m², o Município e o Estado em que se situa;

Passo 2) Encaminhar o Requerimento preenchido juntamente com o documento comprobatório de propriedade do imóvel confrontante, matrícula ou transcrição, atualizadas com no máximo 30 dias.

Obs: No caso de apresentação de escritura de compra e venda, o futuro contrato de cessão de uso deverá ser assinado pelo proprietário da matrícula do imóvel como anuente.

Após o preenchimento do Requerimento, o interessado terá 90 dias para cumprir os Passos 3, 4 e 5 submeter à Copel.

Passo 3) Efetuar Levantamentos Topográficos e apresentar:

3.1) Memorial descritivo da área pretendida em toda a sua extensão até os limites da propriedade, indicando o reservatório e contemplando suas respectivas cotas (máxima normal de operação, máxima maximorum e desapropriação1);

3.2) Planta planialtimétrica com coordenadas (UTM) em SAD 69 – 96, contemplando as benfeitorias existentes, futuras e cotas (indicar cota máxima normal de operação, máxima maximorum e desapropriação), Área de Preservação Permanente – APP, levantamento da divisa da propriedade para determinar a extensão total que confronta com a área da Concessão, polígono da área total a ser utilizada e área nominal em m²;

3.3) ART do responsável técnico pela elaboração da planta planialtimétrica e memorial descritivo;

Passo 4) Apresentar documentos do requerente:

4.1) Caso o requerente seja o proprietário: qualificação (RG, CPF e comprovante de residência);

4.2) Caso o requerente não seja o proprietário: qualificação (RG, CPF, comprovante de residência) do requente e do proprietário, carta de anuência do proprietário e procuração com firma reconhecida, se aplicável;

4.3) Se pessoa jurídica: contrato social consolidado, ata e estatuto, documento da instituição da empresa ou associação, cartão do CNPJ, cartão de inscrição estadual (cópia autenticada) e procuração com firma reconhecida, se aplicável.

Passo 5) Pagar a Taxa de Cessão de Uso. A taxa destina-se ao Reembolso de Custos e Despesas Próprias para que a Copel analise a documentação e levantamento topográfico enviado pelo interessado. A Taxa tem o valor de R$ 600,00 (seiscentos reais). O pagamento desta Taxa não garante a emissão de “Anuência Prévia”.

Passo 6) Após analisados e aprovadas as peças técnicas referentes aos levantamentos topográficos exigidos nos Passos 3, 4 e 5, a Copel fornecerá Anuência Prévia ao requerente.

Para elaboração do contrato

a) Qualificação do solicitante:

a.1) Se pessoa jurídica: Contrato Social Consolidado, Ata e Estatuto, documento da Instituição da empresa ou associação, Cartão do CNPJ e Cartão de Inscrição Estadual (cópia autenticada);

a.2) Se pessoa física: qualificação do requerente (cópia simples do CPF e RG);

a.3) Comprovante de residência do requerente ou representante legal;

a.4) Procuração com firma reconhecida, se aplicável;

a.5) Qualificação do procurador, se aplicável (cópia simples do CPF e RG);

a.6) Comprovante de residência do procurador, se aplicável;

b) Autorização de Acesso e de Remessa ao Patrimônio Genético específica para a atividade a ser desenvolvida no local, contemplando se autorização é apenas para pesquisa ou para fins econômicos, emitida pelo Departamento de Patrimônio Genético do Ministério do Meio Ambiente;

c) Autorização Florestal para supressão da vegetação, quando cabível, acompanhada do termo de compromisso de compensação/recuperação ambiental.

Obs.: Caso a pesquisa e a coleta sejam para fins econômicos, apresentar Anuência do Departamento de Patrimônio Genético do Ministério do Meio Ambiente aos Contratos de Utilização do Patrimônio Genético e de Repartição de Benefícios.

1. A Copel GeT fornecerá as cotas operacional normal e máxima maximorum, para a elaboração da planta.

Área utilizada para lazer e recreação, sob administração de Prefeituras Municipais, dos Governos Estadual ou Federal.

Documentação exigida pela Copel GeT

Para obtenção da anuência prévia

Passo 1) Preencher Requerimento formal do interessado, indicando extensão superficial da área objetivada, em m², e do Município e Estado em que se situa, justificando a necessidade da utilização da área como área de lazer pública;

Passo 2) Encaminhar o Requerimento preenchido juntamente com o documento comprobatório de propriedade do imóvel confrontante, matrícula ou transcrição, atualizadas com no máximo 30 dias.

Obs: No caso de apresentação de escritura de compra e venda, o futuro contrato de cessão de uso deverá ser assinado pelo proprietário da matrícula do imóvel como anuente.

Após o preenchimento do Requerimento, o interessado terá 90 dias para cumprir os Passos 3 e 4 submeter à Copel.

Passo 3) Efetuar Levantamentos Topográficos e apresentar:

3.1) Memorial descritivo da área pretendida em toda a sua extensão até os limites da propriedade, indicando o reservatório e contemplando suas respectivas cotas (máxima normal de operação, máxima maximorum e desapropriação1);

3.2) Planta planialtimétrica com coordenadas (UTM) em SAD 69 – 96, contemplando as benfeitorias existentes, futuras e cotas (indicar cota máxima normal de operação, máxima maximorum e desapropriação), Área de Preservação Permanente – APP, levantamento da divisa da propriedade para determinar a extensão total que confronta com a área da Concessão, polígono da área total a ser utilizada e área nominal em m²;

3.3) ART do responsável técnico pela elaboração da planta planialtimétrica e memorial descritivo;

Passo 4) Apresentar documentos do requerente:

4.1) Caso o requerente seja o proprietário: qualificação (RG, CPF e comprovante de residência);

4.2) Caso o requerente não seja o proprietário: qualificação (RG, CPF, comprovante de residência) do requente e do proprietário, carta de anuência do proprietário e procuração com firma reconhecida, se aplicável;

4.3) Se pessoa jurídica: contrato social consolidado, ata e estatuto, documento da instituição da empresa ou associação, cartão do CNPJ, cartão de inscrição estadual (cópia autenticada) e procuração com firma reconhecida, se aplicável.

Passo 5) Após analisados e aprovadas as peças técnicas referentes aos levantamentos topográficos exigidos nos Passos 3 e 4, a Copel fornecerá Anuência Prévia ao requerente.

Para elaboração do contrato

a) Autorização da Marinha nos casos em que sua atividade/intervenção adentrar a lâmina d’água;

b) Licenciamento ambiental vigente / Licença válida (Licença Prévia – LP, Licença de Instalação – LI ou Licença de Operação – LO ou Autorização Ambiental). O contrato permitirá a instalação do empreendimento, mas o interessado só poderá operar com a devida Licença de Operação/Autorização Ambiental do órgão competente ou o certificado de Dispensa de Licença a ser emitido pelo órgão ambiental competente;

c) Projeto executivo elaborado por profissional habilitado, devidamente aprovado pelo órgão ambiental e aceito pela Copel GeT;

d) Licença de Operação dos órgãos competentes, quando pertinentes;

e) Autorização Florestal para supressão da vegetação, quando houver, acompanhada do termo de compromisso de compensação/recuperação ambiental;

f) Formalização de Termo de Compromisso de Recomposição da Vegetação Ciliar com a Copel GeT, quando pertinente;

g) Atestado de Pleno Exercício do Prefeito, emitido pela Câmara Municipal;

h) Lei Municipal Autorizativa;

i) Cópia documento pessoal do Prefeito: RG e CPF;

j) Documento do Ato Autorizativo;

k) Prova de regularidade para com as fazendas Federal, Estadual e Municipal do domicílio, bem como regularidade com a Fazenda do Estado do Paraná;

l) Certidão Negativa de Débitos/CND – INSS;

m) Certificado de Regularidade de Situação/CRS – FGTS.

1. A Copel GeT fornecerá as cotas operacional normal e máxima maximorum, para a elaboração da planta.

Projetos em andamento

A PCH Bela Vista está sendo instalada no rio Chopim, entre os municípios de Verê e São João, no sudoeste paranaense. O empreendimento recebeu do Instituto Ambiental do Paraná a Licença de Instalação nº 23569, no dia 10 de maio de 2019. Quando estiver pronta, Bela Vista terá potência instalada de 29 megawatts (MW) e vai produzir energia elétrica suficiente para atender até 100 mil pessoas.

Confira os detalhes da obra.

A Copel recebeu do Ministério de Minas e Energia (MME) as outorgas dos quatro parques eólicos que compõem o complexo de geração de energia Jandaíra, a ser construído no Rio Grande do Norte. Os documentos autorizam a instalação e enquadram os empreendimentos no Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infraestrutura (Reidi) – benefício concedido aos projetos considerados prioritários para o país com possibilidade de emissão de debêntures de infraestrutura incentivados.   

As obras do Complexo Jandaíra serão iniciadas ainda em 2020 e absorvem cerca de R$ 400 milhões em investimentos. Ao todo, serão 26 aerogeradores divididos entre os quatro parques eólicos, somando potência instalada total de 90,1 megawatts. Serão construídas também, junto aos parques, subestações e linhas de transmissão que irão permitir o escoamento da energia elétrica gerada para o Sistema Interligado Nacional (SIN).  

A futura produção do Complexo Eólico Jandaíra foi vendida pela Copel pelo preço de R$ 98,00 o MWh no leilão de energia nova A-6, promovido no dia 18 de outubro de 2019, pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Os contratos terão 20 anos de duração e o início do fornecimento está previsto para 2025.

Mais informações: comunicacao.get@copel.com

Faturas Copel Geração e Transmissão

Saiba mais sobre as obras de novos empreendimentos de geração de energia que estão em andamento:

Saiba mais sobre as obras de novos empreendimentos de geração de energia que estão em andamento:

Monitoramento hidrológico